Como Ficar Bem | Centro de Recursos para a Prevenção

(Resumo das considerações e exames do espírito humano e do universo material completado entre 1923 e 1953 d.C.)

1 Antes do princípio havia uma Causa e todo o propósito da Causa era a criação de um efeito.

2 No princípio e para sempre está a decisão, e a decisão é Ser.

3 A primeira ação da beingness é assumir um ponto de vista.

4 A segunda ação da beingness é estender a partir do ponto de vista, pontos para ver, que são pontos de dimensão.

5 Assim há a criação de espaço, pois a definição de espaço é: um ponto de vista de dimensão. E o propósito de um ponto de dimensão é espaço e um ponto para ver.

6 A ação de um ponto de dimensão é alcançar e retirar.

7 E do ponto de vista para os pontos de dimensão há conexão e intercâmbio: assim, são feitos novos pontos de dimensão: assim, há comunicação.

8 E assim, há LUZ.

9 E assim, há energia.

10 E assim, há vida.

11 Mas há outros pontos de vista e estes pontos de vista lançam para a frente pontos para ver. E resulta um intercâmbio entre pontos de vista; mas o intercâmbio nunca é de outra forma que não seja em termos de permuta de pontos de dimensão.

12 O ponto de dimensão pode ser movido pelo ponto de vista, pois o ponto de vista, além da capacidade criativa e consideração, possui volição e independência potencial de ação: e o ponto de vista, ao ver pontos de dimensão, pode mudar em relação aos seus próprios ou a outros pontos de dimensão ou pontos de vista e daqui resultam todos os fundamentos que existem no movimento.

13 Todos os pontos de dimensão, quer sejam grandes ou pequenos, são sólidos. E só são sólidos porque os pontos de vista dizem que estes são sólidos.

14 Muitos pontos de dimensão combinam‑se formando gases, fluidos ou sólidos maiores: assim, há matéria. Mas o ponto mais valorizado é a admiração, e a admiração tem tanta força que somente a sua ausência é que permite a persistência.

15 O ponto de dimensão pode ser diferente de outros pontos de dimensão e assim, pode possuir uma qualidade individual. E muitos pontos de dimensão podem possuir uma qualidade semelhante e outros podem possuir uma qualidade semelhante entre si. Assim, surge a qualidade das classes de matéria.

16 O ponto de vista pode combinar pontos de dimensão em formas e as formas podem ser simples ou complexas e podem estar a distâncias diferentes do ponto de vista e, portanto, podem existir combinações de formas. As formas são capazes de movimento e os pontos de vista são capazes de movimento e, portanto, pode haver movimento de formas.

17 A opinião do ponto de vista regula a consideração das formas, a sua imobilidade ou movimento, e estas considerações consistem na atribuição de beleza ou fealdade às formas e são somente estas considerações que constituem a arte.

18 Na opinião dos pontos de vista, algumas destas formas deviam perdurar. Assim, existe a sobrevivência.

19 O ponto de vista nunca pode perecer; mas a forma pode perecer.

20 Os muitos pontos de vista, ao interagirem, tornam‑se dependentes das formas uns dos outros e eles escolhem não distinguir completamente a posse dos pontos de dimensão e, assim, resulta uma dependência relativamente aos pontos de dimensão e aos outros pontos de vista.

21 Disto resulta um ponto de vista uniforme da interação dos pontos de dimensão e este, regulado, é o TEMPO.

22 E existem universos.

23 Os universos são, então, três ao todo: o universo criado por um ponto de vista, o universo criado por todos os outros pontos de vista, o universo criado pela ação mútua de pontos de vista, que se concorda em manter — o universo físico.

24 Os pontos de vista nunca são vistos. E os pontos de vista consideram cada vez mais que os pontos de dimensão são valiosos. Os pontos de vista tentam tornar‑se os pontos‑âncora e esquecem‑se de que podem criar mais pontos, espaço e formas. Assim, surge a escassez. E os pontos de dimensão podem perecer e, então, os pontos de vista assumem que eles também podem perecer.

25 Assim, surge a morte.

26 Assim, são derivadas as manifestações de prazer e dor, de pensamento, emoção e esforço, de pensar, de sensação, de afinidade, realidade e comunicação, de comportamento e de ser, e os enigmas do nosso universo estão aparentemente contidos e são respondidos aqui.

27 Existe beingness, mas o Homem acredita que existe apenas tornar‑se algo.

28 A resolução de qualquer problema apresentado por este meio é o estabelecimento de pontos de vista e de pontos de dimensão, a melhoria da condição e do concurso entre os pontos de dimensão e, desse modo, dos pontos de vista, e o remédio da abundância ou escassez em todas as coisas, agradáveis ou feias, por meio da reabilitação da capacidade do ponto de vista em assumir pontos de vista e criar e descriar, negligenciar, começar, mudar e parar pontos de dimensão de qualquer tipo segundo o determinismo do ponto de vista. A certeza em todos os três universos tem de ser recuperada, pois é a certeza, e não os dados, que constitui o conhecimento.

29 Na opinião do ponto de vista, qualquer beingness, qualquer coisa é melhor que coisa nenhuma, qualquer efeito é melhor que nenhum efeito, qualquer universo é melhor que nenhum universo, qualquer partícula é melhor que nenhuma partícula, mas a partícula da admiração é a melhor de todas.

30 E acima destas coisas poderá haver apenas especulação. E abaixo destas coisas há o jogar do jogo. Mas o Homem pode experimentar e saber estas coisas que estão aqui escritas. Alguns poderão querer ensinar estas coisas e alguns poderão querer usá‑las para auxiliar os que sofrem e alguns poderão desejar empregá‑las para tornar os indivíduos e as organizações mais capazes e assim, dar à Terra uma cultura da qual esta se possa orgulhar.

Humildemente oferecido como um presente ao Homem
de L. Ron Hubbard
23 de Abril de 1953

DESCARREGUE O LIVRO BRANCO