Como Ficar Bem | Centro de Recursos para a Prevenção

Três décadas de crescimento da população prisional dos EUA levou a nação a um limite preocupante: 1 em cada 100 adultos nos Estados Unidos está preso atrás das grades. A população prisional total é agora de 2,3 milhões, o maior número no mundo, seguido pela nação muito mais populosa da China com 1,5 milhões. O custo da manutenção do sistema prisional dos Estados Unidos superou os 49 mil milhões de dólares em 2007, acima dos 12 mil milhões de dólares em 1987. Os números falam por si mesmos. Considerando a taxa de reincidência de 80%, há uma necessidade desesperada de uma tecnologia viável que ofereça uma reabilitação verdadeira e duradoura dos criminosos que se podem tornar membros produtivos da sociedade.

O programa Criminon funciona em mais de 2100 instituições penais em cerca de 38 nações. Formada em grande parte por voluntários, a Criminon também treina o pessoal das instituições prisionais para a entrega dos programas de reabilitação no local. Os serviços da Criminon também se alargam a esquadras de polícia, centros de correcção e programas para prevenção de crime — tudo o que é necessário para um mundo sem crime.

Os polícias em Mexicali, México, são treinados no livro que é o fulcro do programa, intitulado O Caminho para a Felicidade, o código moral de senso comum.

Nas prisões indonésias onde o programa Criminon é levado a cabo a reincidência caiu para menos de 2%.

L. Ron Hubbard descobriu que a chave para a verdadeira reabilitação é restaurar o autorrespeito de um indivíduo. Para ajudar os presos a fazer exatamente isso, os alunos da Criminon estudam e aplicam os preceitos de O Caminho para a Felicidade.

Na Ilha Formosa, tal como em todo o mundo, os crimes relacionados com a droga aumentam a população prisional. Por esse motivo, o programa Criminon inclui um componente de educação sobre drogas para ajudar os presos a compreenderem e superarem a dependência.

A Criminon oferece programas em mais de 50 prisões sul-africanas, desde centros de correção até prisões de segurança máxima.

DESCARREGUE O LIVRO BRANCO