Como Ficar Bem | Centro de Recursos para a Prevenção

I.
INTRODUÇÃO

Atualmente sou autónomo como escritor, editor, conferencista e consultor no campo da teologia e religião. Também sirvo como Professor Adjunto de Estudos Religiosos na Universidade de Washington, St. Louis, Missouri.

Possuo um diploma de Bacharelato em Artes em filosofia (1962) de Quincy Universidade, Quincy, Illinois, um diploma de Bacharelato de Divindade (1966), magna cum laude, Escola de Divindade de Harvard, Cambridge, Massachusetts, e um Doutorado em Estudos Religiosos Especiais (1981) da Universidade de Faculdade de St. Michael de Toronto, Escola de Teologia, Toronto, Ontário. Também fiz o estudo avançado na Universidade de Harvard, na Universidade de Heidelberg, na Alemanha e na Universidade da Pensilvânia. Na Universidade de Heidelberg, fui um Companheiro Fulbright em Filosofia e Religiões Antigas do Oriente Próximo, 1966-67. Na Universidade da Pensilvânia, fui um Companheiro da Defesa Nacional da Língua Estrangeira, Título VI, em línguas Semíticas, 1968-69.

Desde 1962 que tenho dedicado estudo intenso de movimentos de religiões sectárias, antigas e modernas. Uma parte dos meus estudos de doutoramento focavam especificamente na ascensão de novos movimentos religiosos nos Estados Unidos e no exterior desde a Segunda Guerra Mundial. Este estudo incluía a investigação de novas religiões em termos de seus sistemas de crenças, estilos de vida, uso de língua religiosa, liderança, motivação e sinceridade e as condições materiais da sua existência. Na Universidade de Washington ensino regularmente um curso denominado de Experiência Religiosa Norte-americana, que contém uma secção sobre os novos movimentos religiosos. Além de um interesse erudito em religiões tive uma experiência pessoal de longa data com a vida religiosa. De 1958 a 1964 fui um membro da Ordem dos Frades Menores, popularmente conhecida como os Franciscanos. Durante este período vivi sob votos solenes de pobreza, castidade e obediência e, assim, experimentei muitas das disciplinas típicas da vida religiosa.

Antes da minha posição atual, ensinei na Faculdade de Maryville, St. Louis, Missouri, 1980-81, Universidade de St. Louis, St. Louis, Missouri, 1977-79, onde eu era o Diretor Graduado dos Programas de Mestrado em Religião e Educação da Universidade de Toronto, Ontário, 1976-77, onde fui Tutor em Religião Comparativa, Faculdade de St. John, Santa Fé, Novo México, 1970-75, onde fui Tutor no Grande Programa de Livros, Faculdade LaSalle, Filadélfia, Pensilvânia, Verões 1969-73, onde fui Palestrante de Estudos Bíblicos e Antropologia da Religião, da Universidade de Boston, Massachusetts, 1967-68, onde fui Palestrante de Estudos Bíblicos, e Faculdade de Newton do Sagrado Coração, Newton, Massachusetts, onde fui Palestrante de Estudos Bíblicos.

Sou um membro conceituado da Academia Americana de Religião. Sou um praticante da Igreja Católica Romana na Igreja de Todos os Santos, cidade universitária, Missouri.

Desde 1968 que tenho dado conferências e escrito sobre vários novos movimentos religiosos que surgiram nos séculos XIX e XX na América do Norte e noutros lugares. Nos meus cursos e conferências de Antropologia da Religião (LaSalle College), Religião Comparativa (Universidade de Toronto), Experiência Religiosa Estado-unidense (St. Louis Universidade), e Experiência Religiosa Norte Americana (da Universidade de Washington), lidei com tais fenómenos religiosos como o Grande Despertar, Shakerism, Mórmon, Adventista do Sétimo Dia, Testemunhas de Jeová, Nova Harmonia, Oneida, Quinta do Brook, Unificação, Scientology, Hare Krishna, e outros. Publiquei vários artigos e fui o editor-geral de livros sobre o tema de novas religiões. É a minha política de não testemunhar sobre a vida de um grupo religioso, a menos que tenha a longo prazo, em primeira mão, o conhecimento desse grupo. Testemunhei em vários aspetos das novas religiões perante o Congresso dos EUA, a Assembleia Legislativa do Estado de Ohio, a Assembleia Legislativa do Estado de Nova Iorque, a Assembleia Legislativa do Estado de Illinois, e a Assembleia Legislativa do Estado do Kansas. Tenho dado conferências sobre o tema de novas religiões em faculdades, universidades e conferências nos Estados Unidos, Canadá, Japão, República Popular da China, e na Europa.

Tenho estudado a Igreja de Scientology em profundidade desde 1976. Tenho uma amostra suficiente da vasta literatura de Scientology (as suas escrituras) para ajudar a formar as opiniões aqui expressas. Visitei as Igrejas de Scientology em Toronto, St. Louis, Portland, Oregon, Clearwater, Florida, Los Angeles e Paris, onde me familiarizei com o funcionamento diário da Igreja. Também realizei numerosas entrevistas com membros da Igreja de Scientology. Também estou familiarizado com a maioria da literatura escrita sobre Scientology, que vão desde objetivo erudito até relatórios jornalísticos, tanto favoráveis quanto desfavoráveis.

Como um termo de comparação erudito de religião, defendo que para um movimento ser uma religião e para um grupo constituir uma igreja, é necessário manifestar três características, ou marcas, que são discerníveis nas religiões em todo o mundo. Abaixo, defino estas três características:

(a) Em primeiro lugar, uma religião tem de possuir um sistema de crenças ou doutrinas que remetem os fiéis ao supremo significado da vida (Deus, o Ser Supremo, a Luz Interior, o Infinito, etc.).

(b) Em segundo lugar, o sistema de crenças deve emitir práticas religiosas que podem ser divididas em 1) as normas de comportamento (comandos positivos e negativos, proibições ou tabus) e 2) ritos e cerimónias, atos e outras práticas (sacramentos, iniciações, ordenações, sermões, orações, funerais para os mortos, casamentos, meditação, purificações, estudo das escrituras, bênçãos, etc.).

(c) Em terceiro lugar, o sistema de crenças e práticas devem unir um corpo de crentes ou membros de modo a constituir uma comunidade identificável que é tanto hierárquica quanto congregacional na norma e que possua um caminho espiritual da vida em harmonia com o significado da vida tal como são percecionadas pelos seguidores.

Nem todas as religiões irão dar ênfase a cada uma destas características na mesma medida ou da mesma forma, mas todas irão possuí-las em uma forma percetível.

Baseado nestes três marcadores e na minha pesquisa na Igreja de Scientology, posso afirmar sem hesitação que a Igreja de Scientology constitui uma religião legítima. Possui todas as marcas essenciais de religiões conhecidas em todo o mundo: (1) um conceito bem definido do sistema de crença, (2) que emite práticas religiosas (normas positivas e negativas de comportamento, ritos e cerimónias religiosas, atos e observâncias), e (3) que sustentam um corpo de crentes de uma comunidade religiosa, distinta de outras comunidades religiosas.

II. Sistema de Crenças
DESCARREGUE O LIVRO BRANCO