Como Ficar Bem | Centro de Recursos para a Prevenção

SECÇÃO V: SISTEMA DE PENSAMENTO

Scientology oferece um vasto e altamente elaborado sistema de pensamento que interpreta e explica vários aspetos da experiência humana. Na sua abordagem livresca, orientada para estudo do seu trabalho, é o novo escolasticismo, atraente para as pessoas que gostam de organizar, conceitualizar, sistematizar e intelectualizar a sua experiência. Não ensina um conceito específico de «Deus» ou «Ser Supremo», embora se refira bastante grandiosamente — e vagamente — a uma «Oitava Dinâmica», a mais alta de uma hierarquia de oito relações em que as pessoas podem investir as suas energias, mas dá pouca orientação ou explicação do modo como se deve proceder em relação a essa «dinâmica» ou do que se pode esperar encontrar ali.

Mas Scientology ensina muito clara e explicitamente — ou capacita os seus aderentes para descobrirem — que eles são «seres espirituais» que têm uma existência continuada para além da morte em corpos mortais sucessivos. Este ensinamento ou descoberta central, referido por quase todos os entrevistados como sua própria convicção, é por si só uma diferenciação significativa de filosofias e psicologias não religiosas. É um conceito característico de várias religiões e virtualmente de nenhum sistema de pensamento que não seja religioso.

Scientology oferece um vasto e altamente elaborado sistema de pensamento que interpreta e explica vários aspetos da experiência humana.

Mais precisamente, esta visão da realidade e as respetivas implicações parecem satisfazer a fome de significado supremo da maior parte dos aderentes. Vários entrevistados caracterizaram-se como «buscadores» que tinham experimentado uma religião após a outra e todas insatisfatórias até que encontraram Scientology e aí descobriram satisfação continuada. Como um deles disse: «Esses tipos de questões já não me incomodam.»

Embora não tenha uma resposta específica para todas as questões teológicas concebíveis (tal como algumas religiões reconhecidas), Scientology parece ter sido capaz de incutir nos seus devotos uma confiança de que a existência ocorre numa estrutura basicamente significativa e confiável na qual a atividade humana dotada de propósito é possível e eficaz.

No sentido de que alivia eficazmente (se não responde explicitamente) as ansiedades dos seus aderentes sobre o significado supremo da vida, Scientology é uma religião e funcionalmente muito eficaz. Dada a análise na Secção IV acima, esta é a única qualidade necessária e suficiente de uma religião, de todas as religiões, e de nenhuma outra forma de empreendimento humano. Nem todos os aderentes vieram para Scientology à procura deste produto ou serviço, e nem todos alcançaram este nível de compreensão, mas isso é verdade para todas as religiões. Nenhum dos entrevistados que anteriormente tinham sentido perplexidades religiosas relatou a continuação dessas perplexidades em Scientology. Pode haver algum que continue a estar perplexo, mas não o admitiu; é mais provável que as pessoas que ainda estavam descontentes se tivessem afastado de Scientology — como algumas fazem — e ainda andem a procurar noutro lugar. Que não contesta o facto de que Scientology pode desempenhar a função de religião para aqueles que permanecem.

Para além da conclusão final acima exposta acerca de Scientology, há outras pessoas que, embora elas próprias não sejam convincentes, ajudam a reforçar a conclusão de que Scientology é uma religião:

1. O carácter de «confissão» da «audição»,

2. O ensino (quer objetivamente verdadeiro ou não) de que os seres humanos são essencialmente bons,

3. A ênfase na ética em relações humanas,

4. A capacidade de recuperar as pessoas da dependência de drogas,

5. O solenização de casamentos por pessoal da igreja,

6. A ênfase em «ajudar os outros» de que resultam programas da igreja para os idosos, a oposição à terapia de eletrochoque e lobotomia pré-frontal como técnicas de higiene mental, etc.

Dean M. Kelley
1980
Atualizado em junho de 1996

DESCARREGUE O LIVRO BRANCO