Como Ficar Bem | Centro de Recursos para a Prevenção

IV.
COMUNIDADE DA IGREJA

Como em cada religião por mim conhecida, Scientology tem uma vida comunitária e organização eclesiástica que funciona tanto para preservar e expressar o sistema de crença e promover as práticas religiosas. Em termos eclesiásticos, a organização da Igreja de Scientology é hierárquica em vez de congregacional. Religiões congregacionais exercem a autoridade ao eleger localmente ministros de igrejas, votar em reformulações de sistemas de crenças (credos) e práticas religiosas, bem como a política da igreja. A maior parte das denominações Protestantes nos Estados Unidos são congregacionais na sua política. Elas exercem autoridade de baixo para cima, por assim dizer. Religiões hierárquicas, por outro lado, exercem a autoridade por nomeação e delegação de cima para baixo, de uma figura religiosa central tal como o Supremo Pontífice (Papa) no Catolicismo Romano e o Dalai Lama no Budismo Tibetano, ou de um corpo executivo central tais como um sínodo de bispos ou conselho consultivo dos mais velhos. O meu estudo da Igreja de Scientology mostrou-me que segue o tipo hierárquico clássico de política da igreja.

Como em cada religião por mim conhecida, Scientology tem uma vida comunitária e organização eclesiástica que funciona tanto para preservar e expressar o sistema de crença e promover as práticas religiosas.

Vou dar aqui um breve resumo da organização da Igreja de Scientology. L. Ron Hubbard, que morreu em 1986, foi e continua a ser a única fonte da doutrina e tecnologia religiosa de Scientology, incluindo os níveis superiores de OT. A mais alta autoridade eclesiástica da Igreja de Scientology é exercida pela Igreja de Scientology Internacional (CSI) e pelo Religious Technology Center (RTC). A CSI é a igreja mãe e tem a responsabilidade principal para propagar o credo de Scientology em todo o mundo. A função importante de RTC é para preservar, manter e proteger a pureza da tecnologia de Scientology e para assegurar a sua entrega correta e ética de acordo com os princípios da fé. RTC funciona de forma muito parecida com a Congregação para a Doutrina da Fé no Catolicismo Romano.

As Missões de Scientology Internacional (SMI) funciona como a igreja mãe para as missões igreja por todo o mundo. Esta estrutura é muito semelhante à Primeira Igreja da Ciência Cristã de Boston, que também serve como a igreja mãe de todas as outras Igreja da Ciência Cristã. Em todas as disputas doutrinal, RTC é o tribunal de apelação máximo e final em Scientology, tal como o Vaticano e a sua congregações são os tribunais final de recurso no Catolicismo Romano.

Também preciso mencionar aqui a Organização do Mar. A Organização do Mar é composta de membros da Igreja de Scientology que fizeram votos de serviço «durante mil milhões de anos», significando o seu compromisso para servir a Igreja nesta vida e em inúmeras vidas por vir. A Organização do Mar tornou-se em Scientology o que os Jesuítas são para o Catolicismo Romano. Das fileiras da Organização do Mar veio quase toda a liderança da Igreja.

Às vezes Scientology descreve-se como «uma filosofia religiosa aplicada». Alguns têm usado esta frase para argumentar que Scientology não é uma religião. Mas como mencionado acima, a minha pesquisa sobre os ensinamentos da Igreja e entrevistas com os seus membros mostram que Scientology possui todas as marcas que são comuns às religiões em todo o mundo e ao longo da história: um sistema bem formado de crença, práticas religiosas sustentadas e política eclesiástica hierárquica. Além disso, a palavra «filosofia» pode ter diversos significados e não é de forma alguma incompatível com a palavra «religião». Literalmente, a palavra filosofia significa «amor da sabedoria» e cada religião conhecida pela humanidade apregoa algum tipo de «sabedoria» ou entendimento na verdade suprema. Minhas entrevistas com os Scientologists mostraram que os adeptos consideram a palavra «filosofia» para referirem-se ao supremo significado da vida e do universo no sentido religioso do termo. A «filosofia» de Scientology depende da crença de que a alma é imortal e tem um destino eterno. Ao fazer uso de conceitos filosóficos e com ênfase na aplicação dos seus ensinamentos, Scientology certamente não é diferente de qualquer outra religião conhecida por mim. A religião sempre tem ligações com a filosofia. No seu grande trabalho a Summa Theologica, São Tomás de Aquino, o maior teólogo na história do Catolicismo Romano, faz uso de inúmeras ideias filosóficas, termos e construções emprestadas do filósofo grego Aristóteles e incita a aplicação moral destas noções «filosóficas», no entanto ninguém classificaria a Summa nada além de uma dissertação religiosa da mais alta ordem. A frase «uma filosofia religiosa aplicada» não diminui de forma alguma de Scientology ser uma autêntica fé religiosa no sentido mais lato da palavra.

Mas como mencionado acima, a minha pesquisa sobre os ensinamentos da Igreja e entrevistas com os seus membros mostram que Scientology possui todas as marcas que são comuns às religiões em todo o mundo e ao longo da história: um sistema bem formado de crença, práticas religiosas sustentadas e política eclesiástica hierárquica.

Religiões Ocidentais — especificamente, o Judaísmo, o Cristianismo e Islamismo — tradicionalmente têm sido exclusivistas por natureza. Cada fé afirma ser a única verdadeira fé em virtude da sua própria lei religiosa, salvador, profeta, o caminho para a salvação ou interpretação do significado supremo da vida e da verdade. Esse traço exclusivista está, no seu todo, ausente em religiões orientais como hinduísmo, o budismo, o confucionismo, o sintoísmo e o taoismo. No Oriente, a mesma pessoa pode ser iniciada na vida como um xintoísta, casado em ritos xintoístas e cristãos, e finalmente enterrado num ritual budista, sem ter de «escolher» qual a religião é a «certa». Hoje em dia até o cristianismo ocidental está a perder um pouco do seu carácter exclusivista, como evidenciado por várias denominações profundamente envolvidos no diálogo teológico inter-religioso e culto religioso intercomunitário. Tal pluridimensionalidade não é nada surpreendente e é totalmente compreensível para eruditos da religião que estudam práticas atuais em primeira mão. Embora Scientology tenha afinidade estreita tanto com tradições Hindu quanto Budista, ela não é puramente não-exclusivista nem, quanto a isso, puramente exclusivista. Scientology não exige que os membros renunciem crenças religiosas anteriores ou filiações em outras igrejas ou ordens religiosas. Isto está em conformidade com o temperamento pluridenominacional dos nossos tempos. Não obstante, como assunto prático, os Scientologists normalmente tornam-se completamente envolvidos com a religião de Scientology com a exclusão de qualquer outra fé. Em qualquer caso, a abertura às pessoas de outras tradições religiosas de nenhuma maneira diminui a eficácia da identidade religiosa específica de Scientology .

V. Adoração de Scientology
DESCARREGUE O LIVRO BRANCO