Como Ficar Bem | Centro de Recursos para a Prevenção

VII. Uniformidade Interna de Crença e Prática

O que também chegou a ser percebido era que as religiões não eram de modo nenhum sempre internamente uniformes. Até mesmo em sociedades tribais relativamente pequenas há muitas vezes ritos e mitos de uma considerável complexidade que muitas vezes não constituem um sistema uniforme, internamente integrado e coeso. A religião experimenta mudanças e a agregação ocorre tanto em mito e ritual à medida que uma sociedade experiencia contacto com vizinhos ou povos invasores. Ritos e crenças diferentes podem ligar-se a situações e exigências diferentes (por exemplo, para induzir chuva, para assegurar a fertilidade de plantações, animais e mulheres, para fornecer proteção, para fortalecer alianças, para iniciações para grupos etários, etc.). Todas essas atividades são dirigidas a entidades sobrenaturais (não importa a definição) e os eruditos reconhecem-nas como religiosas. Os códigos de crença e prática religiosas em sociedades tecnicamente mais avançadas são geralmente mais elaboradamente articulados, e apresentam mais coerência interna e estabilidade, mas mesmo em sistemas avançados, os elementos da diversidade persistem. Nenhum sistema ou esquema de ensino teológico de crenças relativo ao sobrenatural, em qualquer uma das grandes religiões do mundo, é inteiramente coeso. Há sempre resíduos sem explicação, e por vezes dá início a contradições. Na maior parte das sociedades, se não em todas, persistem, entre a população geral, os últimos resquícios de orientações religiosas antigas tais como elementos religiosos populares. Sistemas religiosos suplantados muitas vezes deixam seus depósitos em quem os substitui. Assim, as práticas de fazer oferendas de votos e organizar procissões fúnebres características dos cultos pagãos do Império Romano encontraram o seu caminho em atuações Cristãs, tal como vários mitos antes do Médio Oriente repercutiram nos ensinamentos cristãos. Nos tempos romanos, divindades pagãs ficaram levemente transformadas em santos Cristãos, e mais recentemente, um processo semelhante ocorreu na América Latina. Para além destes elementos externos que persistem a partir da religião popular, as escrituras de todas as principais religiões manifestam contradições internas e que não são uniformes. Na natureza da religião, muitas vezes há ambiguidades: a linguagem religiosa não pretende ser clinicamente científica, ela procura ser poética, sugestiva e por vezes emotiva, em vez de forma restritamente cognitiva. Essa linguagem muitas vezes pode ser re-interpretada, compreendida literalmente, alegoricamente, em sentido figurado, ou simbolicamente, produzindo assim respostas divergentes. Estas e outras fontes, especialmente à medida que especialistas religiosos têm procurado conciliar a máxima religiosa com a evidência empírica, deram origem a diferenças entre estes estudiosos que, por vezes, abraçaram esquemas interpretativos e princípios interpretativos opostos, que às vezes alimentaram diferentes tradições mesmo dentro do que é amplamente reconhecida como sendo ortodoxia. Estas questões, então, constituem uma fonte de diversidade religiosa: outra questão surge devido a dissidência política deliberada.

VIII. A Incidência de Dissidência Política
DESCARREGUE O LIVRO BRANCO