Como Ficar Bem | Centro de Recursos para a Prevenção

X. Os Elementos Constituintes das Definições Modernas

Não há uma definição definitiva de religião que tenha sido aceite por todos os estudiosos, mas há um número de elementos, estabelecidos em termos abstratos, que são frequentemente invocados em várias combinações como características da religião. Estes incluem crenças, práticas, relacionamentos e instituições relativas a:

a) forças sobrenaturais, poderes, seres ou objetivos;

b) as maiores preocupações do homem;

c) objetos sagrados (coisas separadas e proibidas) de devoção espiritual;

d) uma agência que controla o destino do homem;

e) a base do ser;

f) uma fonte que transcendente o conhecimento ou a sabedoria;

g) o caráter coletivo da vida religiosa.

As consequências e funções da religião são indicadas como:

a) confere identidade ao grupo e/ou indivíduo;

b) estabelece uma referência de orientação;

c) facilitar a criação de um universo humanamente construído de significado;

d) proporcionar encorajamento e conforto total com a perspetiva de ajuda e salvação;

e) efetuar direitos de reconciliação humana e a manutenção de uma comunidade moral.

Embora estas características sejam geralmente aceites por estudiosos como caracterizando a maioria, se não todas as religiões, elas poderiam provar ser demasiado amplas para admitir a fácil aplicação na esfera prática quando, por exemplo, os governos modernos ou sistemas judiciais são confrontados com a tarefa de aplicar os critérios apropriados a uma ou outra religião de muitas, altamente diversas, novas ou importadas que agora têm adeptos em sociedades ocidentais. Para este fim, um catálogo mais refinado de atributos poderão ser necessários, abrangendo categorias, cada uma das quais é apresentada como um sine qua non da religião, mas como recursos a serem encontrados frequentemente na evidência empírica sobre qualquer grupo que reivindica para si o estatuto de religião. Estas características, então, devem ser consideradas, como já indicado, como reconhecíveis «semelhanças familiares». Assim, cada item deve ser visto como algo que é provavelmente evidente em uma religião, sem ter sido sugerido que este tem de estar presente para um movimento ou um sistema de ideias, para se caracterizar como uma religião.

XI. Um Inventário Probabilístico
DESCARREGUE O LIVRO BRANCO