Como Ficar Bem | Centro de Recursos para a Prevenção

PREFÁCIO

Dr. J.Gordon Melton, Diretor
O Instituto para
o Estudo da Religião Americana

O Pluralismo Religioso é o grande facto da vida religiosa à medida que caminhamos para o desfecho do século XX. Surgindo no século XIX, o pluralismo desenvolveu-se no século XXI como um item principal num plano maior para os direitos e liberdades dos seres humanos. E a liberdade religiosa está entre os melhores indicadores do estado geral da liberdade humana em qualquer sociedade.

O crescimento da diversidade religiosa foi permitido através da separação de estruturas religiosas de controlo estatal e favoritismo. Por sua vez, o aparecimento de diversidade trouxe à existência o estado secular que pode estabelecer um Estado de Direito, servindo como uma força mediadora permitindo que grupos religiosos diferentes coexistam lado a lado como vizinhos. Numa sociedade aberta, as diferenças religiosas podem tornar-se uma oportunidade para diálogo mais próximo, um aumento de apreço pela sua própria vida espiritual e a consciência da diversidade da existência humana, em vez disso, tornou-se um pretexto para hostilidade ou um plano para a incompreensão e ódio irracional.

O crescimento do pluralismo foi acelerado em finais do século XX à medida que a comunicação e o transporte melhoraram. No último século, o movimento cristão introduziu mais variedades de Cristianismo nas culturas tradicionais religiosas de África, Ásia e no Médio Oriente. Desde a Segunda Guerra Mundial, a migração em massa de pessoas para o Ocidente trouxe todas as formas concebíveis da religião Oriental à Europa e América do Norte. Ao mesmo tempo que o telefone, televisão e o computador transferiram a sabedoria da experiência de cada cultura particular (incluindo os seus recursos espirituais) aos lares de pessoas em todo o mundo. Hoje em dia, exceto naqueles poucos lugares restantes, onde as leis que inibem a liberdade religiosa são impostas, todos os centros urbanos atuais, de Londres a Nairobi, de Tóquio ao Rio de Janeiro, são o lar de significativas comunidades minoritárias das religiões do mundo.

O aumento do pluralismo religioso tem-nos forçado a rever muito do que pensávamos sobre o papel social da religião, especialmente sua pretensa função necessária como o laço que une os povos de uma nação. As nações podem ser tão facilmente mantidas juntas pelo seu desejo mútuo de liberdade e a boa vida que esta traz consigo, do que pela necessidade de uniformidade na cultura e na fé. Temos visto Nações Unidas bastante capazes de existir em ambientes seculares e multirreligiosos, e temos visto a perturbação social que podem ocorrer quando os governos tentam impor uma uniformidade religiosa sobre as pessoas, pessoas essas que desenvolveram grandes expectativas para a liberdade pessoal.

Ao mesmo tempo, as nossas atitudes em relação a novas religiões, em grande medida desenvolvidas a partir de uma perspetiva de compromisso para com antigas comunidades religiosas, tiveram de sofrer uma mudança significativa especialmente à medida que os estabelecimentos religiosos ocidentais enfrentam um declínio severo na confiança e fidelidade do público. Uma geração atrás, pensávamos nas antigas religiões como repositórios de verdades testadas pelo tempo destinados a permanecer de geração em geração, enquanto novas religiões eram vistas como questões efémeras. As últimas foram relegadas a cultos pequenos, superficiais erguidos em torno de personagens carismáticos e destinada a morrer com a morte do fundador. Mas à medida que novas religiões, desde a Fé Bahá'í à Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias, surgiram e não só sobreviveram ao seu fundador, mas já se ergueram como comunidades religiosas internacionais que atraem milhões de fiéis, nós vimos o impulso para produzir formas religiosas inovadoras como parte do que está decorrendo como parte natural da vida social de todos os povos. As pessoas estão constantemente produzindo novas formas de devoção, reavivando e dando uma nova vida a estruturas esquecidas, desenvolvendo variações pessoais na vida espiritual e fundando novas organizações religiosas. Muitas dessas formas tornaram-se instituições como variações locais dentro de comunidades religiosas cada vez maiores, os movimentos de revitalização, de certa forma expressões particulares invisíveis de rituais em conjunto, e denominações religiosas adicionais concorrentes.

No seguinte ensaio, Bryan Wilson, o reconhecido decano do estudo de novas religiões, fornece uma visão clara e concisa do desenvolvimento de uma sociedade tolerante e da natureza da diversidade religiosa que emergiu de mãos dadas com essa. No Ocidente, o aparecimento de diversidade tem sido acompanhado teologicamente por uma reavaliação (e descarte) de alguns pedidos de singularidade, anteriormente abraçada dentro da comunidade Cristã, um processo em grande medida ditado pela expansão da consciência das religiões do mundo. Dentro do Cristianismo, gerações das batalhas teológicas têm produzido vários milhares de denominações e um infindável conjunto de variações em teologia, formas organizacionais, vida clériga, adoração e compromissos éticos. Quando comparamos o Cristianismo às diferentes comunidades religiosas, logo nos tornamos conscientes de que as diferenças entre teologias e estilos de ritual dentro do Cristianismo são quase tão grandes como as diferenças entre o pensamento e culto Cristãos e aqueles de outras comunidades religiosas.

Também, como Wilson observa e uma geração de testes em tribunal corroboram, um grande desafio para a tolerância religiosa é a expansão na nossa compreensão dos fenómenos e comunidades que podemos legitimamente listar sob o termo «religião». Poucas pessoas nos dias de hoje condenariam os grupos Hindus e Budistas ao ostracismo. Algumas das religiões emergentes mais recentes tiveram de lutar pelo direito de existir como religiões. Mais recentemente, as fés não-teístas e autocentradas ilustram amplamente que a religião pode existir e realmente existe mesmo sem qualquer reconhecimento de uma deidade ou verdade revelada.

Finalmente, Wilson também argumenta implicitamente que a nossa ignorância da diversidade, que provavelmente já existe na nossa proximidade, é em si uma grande barreira à propagação da tolerância e à extensão da liberdade religiosa. Tendemos a apreciar o familiar e encontrar razões para denegrir aqueles que seguem práticas que são diferentes para nós e cuja lógica interna não compreendemos. Nós achamos que é mais fácil criar uma caricatura de outra vida religiosa do que despender energia para localizar os aspetos de ressonância e o apreço.

Assim sendo, este ensaio é oferecido pelo Instituto para o Estudo da Religião Americana como uma orientação inicial para o mundo da expressão religiosa que circunda cada um de nós. Este apresenta algumas resoluções sem julgamentos extremamente necessárias com a qual podemos começar a compreender a natureza de diferentes grupos religiosos e comunidades espirituais, mesmo aqueles que não foram mencionados nem escolhidos para a discussão por nome abaixo, sendo estas igrejas antigas estabelecidas ou novas fés modernas.

J. Gordon Melton
Diretor, Instituto para o Estudo da Religião Americana
maio de 1995

O Instituto para o estudo da Religião Americana foi fundado em 1969 como um centro de pesquisa sobre grupos religiosos e organizações na América do Norte. Na década de 1990, à medida que algum consenso sobre a integração do nosso conhecimento sobre novas religiões tinha lugar, a sua área de interesse alargava-se para a Europa, África e Ásia. Que apoia a Biblioteca Religiosa Americana de Davidson na Universidade de California-Santa Barbara e publica uma variedade de livros de referência e monografias sobre grupos e fenómenos religiosos diferentes.

I. Direitos Humanos e Liberdade Religiosa
DESCARREGUE O LIVRO BRANCO